neste instante

neste instante, em que eu escrevi e você lê; quarenta e cinco minutos depois das cinco e quinze, da manhã do dia 22 de agosto de 1959, meu pai da entrada no hospital municipal do Tatuapé, Sampa. vítima de um tombo. ficou emocionado ao saber que eu acabara de chegar.
minha mãe no quarto, chora… está feliz!

meu pai em uma maca, chora… fraturara a perna.

eu no berçário, choro… olho os seios da enfermeira! faminto, não sei quais os perigos por não reconhecer a verdadeira fonte de alimentação!

30 de maio de 2017